Cimento Certo

0800 505 0500 Solicite um Orçamento Menu

Falando certo

Venda de Cimento no Brasil em 2018

Segunda, 27 de Maio de 2019

As vendas de cimento no mercado interno, entre janeiro a dezembro de 2018, totalizaram 52,7 milhões de toneladas, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC). Este montante representa queda de 1,2% frente ao mesmo período de 2017.

O consumo aparente de cimento (vendas no mercado interno + importações) totalizou 52,9 milhões de toneladas em 2018. O resultado representa queda de 1,5% em relação ao ano de 2017.

Impacto nos resultados e coprocessamento

Após um início positivo, no qual as primeiras projeções apontavam para crescimento próximo de 1% em 2018, o consumo aparente fechou o ano com queda de 1,5%. O desempenho da indústria ficou no azul entre janeiro e maio. A greve dos caminhoneiros e o início da desaceleração da economia, entretanto, reverteram as expectativas positivas.

A paralisação afetou as vendas e exigiu que as projeções fossem revistas. No mês da greve, o setor deixou de vender cerca de 900 mil toneladas, o que neutralizou a primeira previsão de  crescimento. A lenta recuperação econômica e o ambiente eleitoral também contribuíram para o quarto ano consecutivo de queda, que acumulados somam 26,2%.

A indústria do cimento sofreu ainda impactos em sua matriz de custos. Os preços do frete, insumos, combustíveis e energia elétrica aumentaram significativamente em 2018 e a indústria se viu obrigada a buscar alternativas para reduzir esses impactos.

O avanço no coprocessamento (geração de energia térmica a partir da queima de resíduos) é uma das soluções encontradas pela indústria, já que as novas legislações permitem uma maior diversificação desses rejeitos que podem ser coprocessados nos fornos de clinquer.

A exemplo de países da Europa, tais como Alemanha, Áustria, Holanda, há estados que atualmente permitem a utilização de pneus, biomassa, resíduos industriais e até resíduos sólidos urbanos (lixo urbano) como combustível para a fabricação de cimento. Outra medida adotada foi a modernização das normas do produto. A nova regra permitiu uma maior utilização de adições ao clinquer para fabricar o cimento, diversificando as aplicações e características do produto.

Indicadores econômicos melhores e novos governos geram otimismo para 2019

O ano de 2019 teve início com novos mandatos no governo federal e governos estaduais, o que melhorou os índices de confiança de maneira geral. As expectativas do consumidor, do comércio, da indústria, dos setores da construção e de serviços são de melhora.

De acordo com levantamento divulgado no último dia 27 pela FGV, 11 dos 19 segmentos do comércio pesquisados apresentaram melhora na confiança. Já o índice de confiança da indústria, por sua vez, registrou em dezembro avanço de 0,5 ponto – a segunda alta consecutiva.

No âmbito da construção imobiliária, a nova regra no distrato na compra de imóveis pode trazer uma maior segurança aos investimentos e alavancar novos lançamentos.

Paulo Camillo, presidente do SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento), observa que esses cenários levam as projeções para 2019 a um patamar positivo. “Após quatro anos de queda, acreditamos que 2019 será o nosso primeiro ano com sinal positivo. Esperamos um crescimento próximo a 3% para esse ano”, projeta Paulo Camillo.

Além desse otimismo com relação ao primeiro crescimento após quatro anos, o setor também vive a expectativa da conclusão de seu ambicioso projeto de mapear as emissões de carbono do setor, projetadas até 2050, e suas respectivas alternativas de redução. Assim como o posicionamento da indústria com relação aos instrumentos de precificação de carbono em políticas públicas.